Baixe o AplicativoBaixe o App

(43) 3274-8000Tel.

Catálogos

Compra Food ServiceCompras

HOME
INSTITUCIONAL
DISTRIBUIÇÃO
FOOD SERVICE
INDÚSTRIA
AGRO
BLOG
CONTATO

RUPTURA DO CHOCOLATE DISPARA NAS GÔNDOLAS

Blog


No último mês de maio, os itens de indulgência (aqueles que os consumidores costumam presentear), tenderam a perder espaço nas gôndolas dos supermercados para os itens essenciais, componentes das cestas básicas, devido a inflação e juros elevados. De acordo com o Índice de Ruptura da Neogrid, empresa especializada em soluções digitais para as cadeias de suprimentos, é o que aconteceu com o chocolate, cuja indisponibilidade nas gôndolas disparou simultaneamente com a diminuição das vendas. Esse indicador considera os dados de praticamente 80% das maiores redes supermercadistas do Brasil.
Em maio, a ruptura da barra de chocolate, atingiu o patamar de 20,3%, maior indisponibilidade desde maio de 2020, no início da pandemia de Covid-19, quando o índice atingiu 17,8%. Em abril passado, a ruptura havia ficado em 11,1%.
Para Robson Munhoz, diretor de customer success da Neogrid, sob inflação e sob o embate com a indústria para que o custo da produção não seja repassado até as gôndolas, os varejistas vêm trabalhando com estoques cada vez menores e repondo menos os itens de indulgência. “O supermercado abasteceu menos, a prateleira está menos reforçada, e, tirando o efeito Páscoa, quando a ruptura no mês seguinte ao evento de fato sobe um pouco, agora o que vimos é uma diminuição de estoque e de venda. O varejo comprou menos chocolate porque acreditou que venderia menos em virtude do aumento de preço e da dificuldade de dinheiro do consumidor no supermercado”, explica. “Com menor poder de compra e produtos mais caros, o consumidor não vai praticar indulgência consigo: vai comprar aquilo que é básico”, afirma Munhoz.
Ruptura geral aumenta em relação a abril
A ruptura geral das categorias, em maio, ficou em 11,5%, pouco acima dos 10,8% registrados em abril e também em março. Estoque e venda praticamente não alteraram em relação a abri, mês que registrou o menor estoque desde o começo da pandemia, em 2020. “O estoque segue baixo, e o varejista continua se vendo obrigado a negociar com a indústria, que ainda tenta repassar o aumento de preço por conta do aumento de insumos”, destaca o diretor da Neogrid. Com isso, ele explica, “essa negociação vai ficando mais dura e acirrada e competitiva”.

FONTE: SUPERVAREJO

Tag(s):

Ao navegar em nosso site você concorda com nossa Política de Privacidade. Ok